Guarujá

Mais conhecido como balneário de classe internacional, graças a beleza de suas praias, também apresenta notável riqueza de tradições e manifestações folclóricas. Define-se o folclore como ciência que estuda os fatos da cultura material e espiritual criados ou adaptados pelos meios populares. Neste sentido, o Folclore de Guarujá vem sendo pesquisado, desde 1968, pela Comissão Municipal de Folclore e Artesanato e a Associação de Folclore e Artesanato de Guarujá, com divulgação através do Departamento de Turismo da Prefeitura Municipal. O evento mais tradicional desta divulgação é o Festival de Folclore de Guarujá, realizado no mês de agosto, em 1996 já pela 24ª vez, e que, aliás consta do Calendário Oficial de Eventos da Secretaria de Turismo de Estado de São Paulo. A programação dos Festivais inclui apresentações de artefatos do artesanato autêntico regional bem como confeccionados por escolas e populares; danças, músicas e cantos caiçaras; concursos de brinquedos folclóricos, narrativas de contos populares; plantas medicinais; palestras sobre temas do folclore bem como a comemoração do Dia Universal do Folclore em 22 de agosto.

A realização dos Festivais conta com a participação de escolas estaduais, municipais e particulares e apoio dos Departamentos Municipais de Educação e Cultura. Nesta oportunidade ainda se realiza o lançamento da Revista FOLCLORE, publicação da Associação de Folclore e Artesanato de Guarujá, que há 21 anos divulga o Folclore da Ilha de Santo Amaro no Brasil e no Exterior. A Exposição de Presépios, destinada a manter viva a tradição de armar presépios, se realiza há 19 anos no mês de dezembro, com a participação da comunidade, escolas, terreiros e particulares. O Dia do Zumbi, 20 de novembro, já foi celebrado pela segunda vez pela Comissão Municipal de Folclore com a participação dos Departamentos de Turismo de Educação, de Associações de Capoeira e da Associação Brasileira da Terceira Idade - ABRASTI.


Guarujá conta com apreciável riqueza de grupos folclóricos autênticos, em particular o Pau de Fita de Santa Cruz dos Navegantes, Reisado e Bumba-meu-Boi de sergipanos radicados no Guarujá, Conjunto de Seresteiros da ABRASTI e Chorinho Quadra e Az de Dilermano, em Vicente de Carvalho. A Folia de Reis da Praia do Tombo desapareceu, infelizmente, com o falecimento de seus principais integrantes, mas um grupo na Vila Santa Rosa vem revivendo esta tradição. Desde 1974, a prática da Capoeira deitou raízes em Vicente de Carvalho, com as Associações de Mestre Sombra, Mestre Sombrinha, Pedrinho e muitos outros que ministram cursos e se apresentam em festividades folclóricas em Guarujá. O Carnaval de Guarujá tem sido organizado e divulgado pelo Departamento de Turismo e merece particular atenção e ajuda de custo da Prefeitura Municipal. O desfile das Escolas de Samba e Blocos se realiza no centro de Vicente de Carvalho, distrito de Guarujá.

Os Festejos Juninos organizados pelo Departamento de Turismo são celebrados a partir de 12 de junho, véspera de Santo Antonio. Em 23 e 24 de junho, em homenagem a São João, são apresentadas quadrilhas, comidas típicas e muitos fogos de artifício. O dia de São Pedro é particularmente festejado pelos pescadores e caiçaras. Entre as manifestações de Religiosidade Popular cabe mencionar o Dia de Santo Amaro, protetor de Guarujá, festejado em 15 de janeiro com procissão, missa e shows populares organizados pela Paróquia Nossa Senhora de Fátima e Santo Amaro e os Departamentos de Turismo e Cultura. A procissão de Corpus Christi, em junho, desperta grande interesse entre população e turistas. Entidades, escolas e particulares enfeitam as ruas onde passará a procissão. A Procissão Marítima de São Pedro, em 29 de junho, na Praia do Perequê, é atração turística. Os barcos de pescadores, enfeitados e levando a imagem de São Pedro, saem da Praia do Perequê, seguem até a altura da ermida dedicada a Nossa Senhora e retornam à praia, onde festejos, brinquedos folclóricos como o Pau de Sebo, e comidas típicas são oferecidos a um numeroso público.

A Procissão Marítima de Santa Cruz dos Navegantes costumava ser realizada todos os anos em 15 de agosto. Entretanto, depois do desastre o corrido com o Bateau Mouche no Rio de Janeiro, a Capitania dos Portos proibiu a saída desta procissão, alegando falta de segurança dos barcos e dificuldades que acarretava à passagem de navios. Os Centros de Candomblé e Umbanda realizam festividades em datas preestabelecidas. A festa de Iansã no Candomblé Ilê Oio Ya, de Pai Bobó, tradicional e de ritual Ketu, é celebrada em 18 de setembro e tem sido prestigiada pela Comissão de Folclore. Outras festas são realizadas na Tenda Afro-Brasileira Oia Dele, de Maria Helena e no Terreiro Sete Pedras Brancas, de Mãe Catita. Batem para seus orixás e santos, principalmente Cosme e Damião, em 27 de setembro. Texto por Baronesa Esther Sant'Anna de Almeida Karwinsky.

O comércio em todo o município, especialmente no centro da cidade, opera em regime de atendimento especial, normalmente nos fins de semana, quando o afluxo de visitantes é muito mais acentuado, não sendo exceção nos períodos de grandes e mais prolongadas temporadas. Nestas, é comum que os serviços de supermercados, padarias, farmácias, lojas e boutiques se estendam até as 22 h., às sextas feiras e sábados, estes estabelecimentos operam até as 22 h. Em qualquer das ocasiões atuam também aos domingos, com exceção dos supermercados. No promissor Distrito de Vicente de Carvalho, o comércio funciona aos sábados até as 18 horas.

O comércio varejista, mais típico no centro da cidade, ocupa grande parte deste, sobretudo nos setores de alimentação (supermercados, panificadoras, bares, lanchonetes, sorveterias etc.); confecções e artesanatos, onde despontam luxuosas boutiques e casas especializadas, na área dos calçadões; os serviços profissionais diversos; o atendimento bancário; prestadores de serviços diversos. Até alguns hotéis atuam no centro da cidade, onde se observa a função residencial, convivendo com o fervilhar comercial.


Pesquisar

Publicidade